BH + 55 31 2531.7774
BH + 55 31 2531.7774
SMARTalk



AGO 20

Metodologia CDP: Conheça a técnica para ter uma comunicação eficaz

By Marketing | 20 de agosto de 2018 | Sem categoria

Ao contrário do que muitos pensam, a Smartalk não é uma empresa que faz apresentações. E sim especializada em comunicação empresarial e estratégica.

Muito mais que uma apresentação — ou PPT, como alguns preferem — uma comunicação eficaz precisa englobar outros aspectos e não apenas um powerpoint.

Nesse contexto, existem 3 pilares para se construir mensagens poderosas e vamos detalhar como trabalhar cada um deles.

Essa técnica utilizada para potencializar o poder da comunicação das empresas também pode ajudar a melhorar o seu processo de criação de:

  • discursos;
  • palestras
  • reuniões;
  • treinamentos;
  • workshops;
  • eventos;
  • convenções
  • coletivas de imprensa;
  • pitch comercial;
  • pitch de investimento;
  • propostas comerciais;
  • apresentação de projetos;
  • lançamento e apresentação de produtos e serviços;
  • gerenciamento de crises dentro da sua organização;
  • vídeos;

E muitos outros contextos em que passar a mensagem certa pode representar o seu sucesso ou o seu fracasso.

Por isso vou explicar um pouco melhor o que significa a metodologia CDP, quais elementos influenciam em uma comunicação eficaz e como você pode aplicá-los no seu dia a dia.

O que é CDP

CDP é uma técnica comunicacional cujos principais pilares são: conteúdo, design e performance.

Até aqui parece fácil, mas cada uma dessas partes guarda particularidades, perguntas que precisam ser respondidas e estratégias que interferem diretamente na sua maneira de se comunicar. Especialmente nos resultados que o seu discurso — escrito ou verbal — vai alcançar.

CDP: os elementos que influenciam em cada aspecto da sua comunicação

É necessário compreender os principais fatores contidos dentro de cada elemento do CDP, para que você entenda exatamente como eles se aplicam dentro de um determinado contexto.

Apenas lembrando, eles valem para todos os tipos de comunicação: pessoal, para um grande público, discursos de vendas, apresentações, eventos, treinamentos, reuniões, entrevistas, pitching, workshops, aulas, coletivas de imprensa… as possibilidades e aplicações são diversas!

O mais importante é não desconsiderar nenhum deles e entender exatamente como utilizá-los a seu favor.

O Conteúdo

O conteúdo é basicamente o que vai ser dito.

Além do tema, você deve levar em consideração outros aspectos que interferem diretamente na escolha do tom e da linguagem escolhidos para passar a sua mensagem.

Por exemplo:

Os objetivos: afinal, toda fala tem um objetivo, seja ele informar, convencer, fazer rir, causar reflexão, impressionar… e sem saber onde se quer chegar com um discurso possivelmente será difícil construir um conteúdo de qualidade.

  • O público: é fundamental saber exatamente para quem se fala. Afinal, uma comunicação com os seus filhos é completamente diferente — ou pelo menos deveria ser — da maneira com que você fala com os seus colaboradores, que ainda será diferente da forma de passar a mesma mensagem em uma palestra para investidores. Além disso, o público determina o quão técnico pode ser ou não o seu discurso, especialmente se você quer convencer e fazer com que as pessoas captem realmente a sua mensagem. Você precisa mapear o que o seu público sabe e pensa sobre o que você vai dizer, quais os anseios e dores esse público tem e até mesmo quais as objeções podem surgir.
  • O local: ele também dita o tom, o grau de formalidade e até mesmo a escolha de palavras que você pode ou não fazer. Existem termos, por exemplo, que podem ser considerados ofensivos para determinadas plateias ou recursos que podem te ajudar a reforçar a mensagem passada — um telão, som, artifícios materiais, vídeos, um quadro branco, a possibilidade de interação ou não com o público…
  • O contexto: contextos diferentes pedem cuidados diferentes na hora de se construir um discurso. Um bom exemplo são situações de crise — você precisa pensar pelo menos 10 vezes na hora de escolher as palavras e até mesmo a forma de passar uma mensagem, o que é diferente de conversar com um grupo de pessoas sobre as metas batidas.
  • O tempo: ele será o seu recurso mais valioso e por isso também têm muita influência sobre a sua fala. Geralmente quanto menos tempo se tem, mais cuidado é necessário com um conteúdo, por ser mais difícil transmitir e reforçar uma ideia.

A metodologia: e sim, existem diferentes tipos de metodologia responsáveis por passar a mesma mensagem. O mais conhecido e “queridinho” do momento é sem dúvidas o storytelling, que consistem em construir uma narrativa em cima do seu conteúdo. Mas muitos outros como “desafio x solução”, suspense… além de outros recursos complementares como humor, provocação etc.

Todos esses aspectos influenciam tanto na sua comunicação quanto o próprio tema, e por isso interferem diretamente na construção do seu conteúdo.

O Design

O design está relacionado ao que você vai mostrar.

E, pensando nos aspectos que já falamos sobre conteúdo, você deve construir os melhores artifícios para que a sua ideia seja transmitida e realmente impacte os envolvidos.

Sabe-se que que 90% das informações que nosso cérebro processo vem da nosso visão e que recursos visuais são processados 60.000 vezes mais rapidamente que textos.

Ou seja: é impossível negar que eles são importantes.

Mas eles podem tanto ajudar quanto prejudicar a sua apresentação. Afinal, recursos visuais incoerentes, confusos e de baixa qualidade diminuem a sua credibilidade e impactam na atenção que as pessoas dão ao seu discurso.

Por isso, nem exagerar, nem pecar pela falta: a ideia aqui é que eles auxiliem a sua mensagem e ajudem as pessoas a entender e se encantarem com o que você diz.

“Design não é apenas o que parece e o que se sente. Design é como funciona”

Steve Jobs.

Ao pensar em design, é necessário considerar os aspectos funcionais de sua aplicação. A questão vai além de ser bonito ou feio. Trata-se de ter algo capaz de transmitir uma mensagem e garantir seu entendimento de maneira rápida e eficaz.

Pensando nisso, você pode usar uma boa apresentação, um flipchart, vídeos, motions… sempre levando em consideração uma identidade visual que faça sentido para a sua empresa e para o seu público!

A performance

Como você deve imaginar, a performance é o como a sua mensagem será entregue.

Muitas pessoas não param para pensar, mas você pode ter um conteúdo incrível e um design impecável. Porém, se a sua performance não fizer jus a tudo isso, você possivelmente não terá uma comunicação bem sucedida.

Isso porque o design é um recurso, o conteúdo é a mensagem, mas no final das contas é a sua maneira de se expressar que realmente precisa captar a atenção das pessoas.

Um bom exemplo é um time comercial: você pode ter uma equipe de 10 pessoas que usa o mesmo pitch e o mesmo material de venda. E nem por isso todos vão vender do mesmo jeito — e muito menos ter o mesmo sucesso.

Por isso é fundamental nunca dispensar um bom treinamento. Tenha certeza de que você dominou 100% do conteúdo que vai apresentar e que é capaz de fazer o seu talk dentro do prazo estipulado são apenas o básico. Uma boa performance inclui:

  • posicionamento e movimentação — especialmente em apresentações para grandes públicos é preciso saber trabalhar o palco;
  • postura — independente do contexto, garantir que você mantém uma postura corporal coerente com o que irá dizer;
  • segurança — se sentir e transmitir confiança;
  • evitar vícios de fala/gestuais — repetir sempre uma mesma palavra como “por exemplo
  • gesticulação — gesticular demais, ou ficar “dançando” de um lado para o outro, ficar o tempo todo de braços cruzados…
  • harmonização entre expressão facial e linguagem — a sua linguagem corporal deve condizer com o seu público e ainda auxiliar a audiência na compreensão da mensagem;
  • evitar padrões —  uma grande diferença entre uma excelente performance e uma excelente oratória é que a oratória foca em regras, em melhores práticas, em bons padrões. A performance foca em adequação à mensagem — mesmo que isso signifique fugir dos padrões e quebrar regras.

Pode não parecer, mas esses aspectos influenciam tanto na sua credibilidade e capacidade de convencer quanto qualquer outro.

Pense em quantas vezes você mesmo não comentou ou se incomodou com algum problema de performance de uma apresentação? “Nossa, esse cara não para de falar ‘tipo’.”

Os diferenciais do uso do CDP

Conteúdo, design e performance são os elementos essenciais para o desenvolvimento de narrativas em eventos, processos de comunicação estratégica, treinamento empresarial e performance em vendas.

Basicamente, a comunicação pode usar um, dois ou — no melhor dos cenários — todos esses elementos.

  • Se você só se preocupa com o conteúdo, possivelmente terá uma performance que deixa a desejar, além de perder a chance de usar recursos visuais que reforcem a sua ideia e leve mais valor às pessoas;
  • Se você prioriza o design, será conhecido por um discurso vazio, incoerente e sem nenhum poder de convencimento;
  • Se você foca na sua performance, pode perder a autoridade por uma apresentação pobre e por um conteúdo superficial;

Além disso, nem design + conteúdo, nem conteúdo + performance e muito menos conteúdo + design podem levar a sua comunicação a excelência, garantindo que o público não só entenda, como também aprenda, se interesse e seja pego pela sua mensagem.

Ideias práticas para aplicar o CDP

Agora, pensando em como você pode aplicar esses conceitos na hora de montar os seus discursos — lembrando que eles valem para reuniões, palestras, vendas, plateias de milhares ou uma única pessoa — vamos listar algumas ações práticas que podem te orientar.

Faça um Briefing

Antes mesmo de começar a pensar em como será a sua apresentação, faça um briefing para organizar suas ideias.

Ele ajuda a não esquecer nenhum ponto importante, estabelecer uma relação entre os pontos e construir um discurso coerente.

Monte um Roteiro

O roteiro é a organização do seu briefing dentro do espaço que você tem disponível para falar e de acordo com os recursos que você tem.

Por exemplo: se você utiliza o modelo de Inside Sales e precisa realizar um pitch de vendas pelo Skype, organizar o seu roteiro ajudará a garantir que você não se perca e passe por todos os pontos necessários em um curto intervalo de tempo.

Dedique tempo proporcional a importância e complexidade do seu discurso

Seja elaborando o material ou treinando seu discurso, é fundamental que você dedique tempo suficiente para se preparar.

Para entender melhor como calcular esse tempo, você pode levar em consideração alguns aspectos:

  • Os riscos da sua apresentação: você pode se preparar menos para uma reunião semanal de conferência de metas que para uma apresentação dentro de um processo de gerenciamento de crises, em que a percepção das pessoas será muito mais sensível à sua fala.
  • O tempo: quanto mais tempo você tem de fala — por exemplo uma  apresentação de duas horas em um evento — maior deve ser o seu treinamento e tempo dedicados a elaboração do discurso. Por outro lado, se você tem um tempo muito limitado mas precisa passar uma mensagem muito importante — como um pitch de um novo produto — você também precisa dedicar tempo suficiente para elaborar um discurso que realmente encante as pessoas e tenha todos os pontos que você considera indispensáveis em tão pouco tempo.
  • Dificuldade técnica: o quão complexo é o assunto a ser tratado? Essa pergunta ajuda a determinar o tempo que você precisa para torná-lo compreensível para o seu público;
  • Público: quanto conhecimento prévio a sua audiência tem sobre o assunto tratado? Você pode falar sobre um mesmo tema para uma platéia de leigos ou para especialistas no assunto. Tais fatores demandam uma abordagem completamente diferente. Em um caso você precisa ter certeza que se fez entender e no outro você precisa garantir que todos os aspectos mais complexos do seu conteúdo estão realmente alinhados e que você os domina por completo.
  • Conheça os recursos que você possui antes de começar a montar sua apresentação

É fundamental saber exatamente quais os recursos disponíveis durante a sua fala, sejam eles multimídia, como telas, sons e vídeo, ou mesmo uma apostila, um flipchart ou similares.

Afinal, esses recursos podem ser braços da sua apresentação, ajudando a platéia a entender melhor a mensagem. Assim você poderá criar uma apresentação com design que realmente faça sentido e que eleve ainda mais o nível do seu discurso.

Pense em design funcional

Muitas pessoas que têm a possibilidade de usar recursos multimídia acham que precisam extrair o máximo de cada um deles para ter uma apresentação de alto nível.

Porém o melhor design é aquele que realmente te ajuda a passar a melhor mensagem, da melhor forma. E isso significa que, muito mais que a “beleza” por trás das suas telas, suas apresentações precisam ser funcionais tanto para você quanto para o seu público.

De forma alguma isso significa deixar de lado a questão estética, afinal ela contribui tanto para a mensagem quanto para a sua credibilidade. Porém, por mais que o seu design seja incrível, se ele não passa bem uma mensagem, ele não estará cumprindo o seu papel.

Estude e treine muito!

Nunca subestime ou superestime o seu conhecimento e a capacidade de falar bem em público. Esse processo depende de todos os fatores que citamos anteriormente e do seu grau de domínio sobre eles: tempo, público, conteúdo, recursos…

Por isso treine muito, estude e entenda que a capacidade de se comunicar bem é algo adquirido e que requer treinamento constante, independente de ser a sua primeira ou milésima vez.

Sim, se comunicar bem é muito mais difícil do que você pensava

Geralmente as pessoas olham uma apresentação como um TED por exemplo e imaginam “Nossa, que habilidade! Como essa mulher fala bem”. Mas a verdade é que para uma única apresentação do TED, o speaker tem 400 horas de treinamento, divididas em 200 direcionadas à pauta e outras 200 de treinamento.

Tudo isso para falar apenas 15 minutos!

Ok, mas eu não vou falar em um TED

Tudo bem, eu possivelmente também não — embora gostaria — porém nem por isso uma comunicação empresarial perde a seriedade e a necessidade de construir um discurso que convença as pessoas.

No mundo corporativo, ganha quem vende melhor uma ideia, e você está o tempo todo tentando convencer e encantar pessoas.

Pense que a autoridade da sua empresa e a sua própria credibilidade como profissional estão em jogo em cada discurso — seja para uma ou para várias pessoas — que você fizer.

E, dessa forma, o CDP poderá ajudar você, tanto a mapear todos os pontos que interferem no seu poder de se comunicar de maneira clara, objetiva e persuasiva, para vender a sua ideia e alcançar os seus objetivos.

O que mais importa não é se você usa Prezi, Powerpoint ou Keynote, se você tem 10 minutos ou 2 horas, se os seus slides tem ou não os melhores movimentos, nem se você usa 10 ou 90 telas em sua apresentação.

Mas sim se você construiu uma narrativa coesa, poderosa e que faça sentido para o seu público, levando a audiência do ponto A para o ponto B.

Essa construção passa por uma boa escolha dos recursos, uso do tempo da melhor forma possível sem perder a clareza e de uma postura profissional e confiante, que convença as pessoas.

Resumindo: é preciso tratar a sua comunicação de maneira profissional.

O que fazer se eu não tenho recursos suficientes para aplicar o CDP sozinho

Não se preocupe, nós podemos te ajudar!

A comunicação é uma habilidade apreciada e valorizada por grandes profissionais e líderes e pode ser utilizada de diversas maneiras. Verbal ou não verbal, escrita ou não, dominar esses aspectos é crucial para o desenvolvimento de seu negócio e o seu próprio crescimento profissional e pessoal.

Somos especialistas em comunicação empresarial e estratégica e podemos levar os seus discursos para outro patamar, independentemente do seu contexto.

Fale com nossos especialistas e entenda como nós podemos trabalhar juntos!